terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Um texto para encerrar 2013

Eu escrevi esse texto a alguns dias, mas hoje eu o terminei de fato. É uma reflexão que fiz em forma de parábola. acho que ficou bom, não tive tempo de corrigir então atenham se ao conteúdo simbólico ok :).
Espero que curtam e procurem entender todas as metáforas(que não são poucas) sobre vida, religião e relacionamentos que apliquei.




 A Jornada  Gabriel Andrade Jr.


       Duas crianças se encontram no começo de suas vidas. Sem nome, lembranças ou experiências. Andam juntas com passos cautelosos, porém, um tanto despreocupados quanto ao rumo desses. Se tornaram amigos e ganharam nomes: César e Paulo. 

    Em um momento do caminho seus pais lhe deram as mãos e passaram a guiar seus passos, e, por um momento, eles perderam seus nomes, que só voltavam a ser pronunciados quando eles se encontravam. Na ausência de seus pais eles podiam ser César e Paulo novamente. Os laços se estreitam e viram grandes amigos, constroem sonhos e planejam aventuras. O pai de César ainda o carrega pela mão sempre de volta para casa. Na adolescência, logo após terminar o colégio eles se separam novamente. Paulo muda para outra cidade, ia estudar filosofia, e César continua a trilhar o caminho ao lado de seus pais.

       Os dois amigos se re-encontram na metade da jornada de suas vidas após muitos anos. 
     Eles relembraram seus nomes. Um era César, que agora, usava roupas muito bonitas, um terno, gravata, sapatos de couro caros e um relógio de ouro, no entanto, trazia consigo uma imensa mochila que afetava sua postura. Suas costas pesavam muito, seus joelhos eram curvos e muito machucados, César parecia cansado e meio envelhecido e de aspecto áspero, mesmo depois de se alegrar ao ver o amigo, ainda transpirava rispidez.
     Em contra ponto, estava Paulo, usando roupas comuns, uma calça jeans, uma camiseta colorida, um tênis confortável e um boné engraçado. Sua postura era ereta, com um aspecto saudável e jovial. Não carregava nada consigo.
       Frente a frente, saúdam um ao outro com sorriso no rosto e apertam as mãos. 

César: - Como vai amigo?

Paulo: - Muito bem! E você? Tão bem vestido, parece que se deu muito bem na vida hein?


César: - Sim, Graças a Deus! Sou “um” dos líderes de minha comunidade, por isso me visto tão bem, mesmo estando com muito calor, minha aparência é fundamental para os membros de minha congregação. Esse terno foi pago pelos que me seguem e os sapatos foi minha esposa quem deu, são um pouco apertados e desconfortáveis admito, mas são de couro legítimo e a última moda. Este relógio de ouro foi eu mesmo quem comprou, custou muito mais que todo o resto e as vezes atrasa, mas eu nem vejo as horas por ele mesmo. Também não foi por isso que o comprei. E você? O que tens feito da vida? 



Paulo: - Eu terminei minha pós graduação, trabalho no emprego que sempre quis e tenho um escritório na cidade. Eu não preciso me vestir como você, visto o que minha consciência manda, meus sapatos são leves e confortáveis e me ajudaram a trilhar meu caminho, foi presente do meu pai, minha calça jeans foi barata mas é leve e me sustenta tanto no frio como no calor, foi uma escolha de minha mulher, minha camiseta foi eu mesmo quem escolhi, ela retrata um pouco de minha personalidade e gostos, o boné engraçado foi um presente de "dia dos pais" que meu filho comprou. Não combina muito comigo, acho um pouco extravagante e infantil, mas me sinto bem com ele.

Você leva bastante coisa nessa mochila hein?



César: - Sim, a maioria são problemas pra resolver e dívidas acumuladas e atrasadas. Como estou distante de casa também preciso de muitos equipamentos de sobrevivência, alguns eu nem uso, mas gosto de te-los por perto. O problema é que tudo isso pesa muito, e, embora eu não reclame com frequência, dificulta o meu caminhar, pois meus joelhos andam doloridos e machucados e não é de hoje, já é uma doença antiga. É que eu sempre agarrava a mão do meu pai pra caminhar. Cai muito de joelhos nessa época e demorei muito pra aprender a caminhar sozinho com minha própria orientação, mas consegui, depois, quando era adolescente, passei por problemas dos quais não estava preparado pra enfrentar e me ensinaram que eu deveria me sacrificar a Deus de joelhos em oração para que ele pudesse me ouvir e ver minha dor, isso me ajudou muito, mas hoje meus joelhos estão comprometidos e minha coluna dói. Você não parece ter esse problema.



Paulo: - Pois é, desde cedo meu pai me ensinou que eu deveria aprender a andar sozinho. Rastejei um pouco e fiz alguns calos nas mãos, no entanto, rapidamente e com minha força e habilidade, comecei os primeiros passos. Hoje ando com desenvoltura sem esquecer que sou capaz de, com meu próprio empenho, vencer as dificuldades da vida. Os calos nas mãos nunca foram um problema, na verdade, eles muito me favoreceram quando iniciei minha vida profissional. 

Ao meu Deus não peço nada, só agradeço, pois já tenho tudo que preciso em minha jornada. Minha casa e pessoas que amo estão sempre próximos a min, não tenho dividas para pagar e resolvo todos os problemas que aparecem sem adiar, pois meu tempo é precioso e procuro administra-lo o melhor possível e nas coisas que me trazem reflexão e aprendizado. Meus joelhos estão sadios, pois o meu Deus não precisa de sacrifícios para me ouvir, atender ou mesmo me ver. Pois não há sacrifício que me torne mais digno, nem pecado que me separe de seu amor. Não carrego nada comigo além de um celular com o contato de meus amigos e família e uma carteira com meus documentos e provisões.



César: - A conversa está boa mas preciso ir. Minha agenda está cheia. Como servo na obra de Deus tenho muitos lugares pra visitar, compromissos e eventos a realizar. Talvez possamos continuar essa conversa depois.



Paulo: - Claro que sim. Minha agenda está sempre livre. Só uma pergunta meu amigo. Você é feliz?



César: - Sim! Sou feliz sim, pois tenho prosperado. Eu tenho muito dinheiro, casa, carro, família, uma igreja cheia de membros, pois essa é a obra do cristão. E é claro que sofro muitas provações, coisas do inimigo sabe? Mas o 'Senhor é meu Pastor e nada me faltará', O mar vai se abrir e as bençãos vão cair do céu e os que perseguem vão ser perseguidos e eu serei exaltado no final. Mas e você? É Feliz?



Paulo: - Sim. Pois levo minha consciência limpa e estou sempre ao lado dos que me amam e disposto a amar os que não se agradam de min. Meu trabalho é gratificante, pois eu conquistei com meu esforço e dedicação, além do mais, o meu Deus é leve comigo e não exige nada de min, apenas que eu viva dignamente. Ele me ensinou que a única obra que está em minhas mãos para fazer, é a obra de minha vida, a construção de meu caráter em uma vida sensata, respeitando os princípios do amor e não da vaidade, da simplicidade e não da soberba, da verdade e não do engano, da conquista da dignidade ao invés do ócio e espera, do servir ao outro e não do alienar. 

Quando tudo isso é natural pra você então a jornada é boa, o combate é bom e a vida é proveitosa. Pois, por mais que espinhento, difícil, doloroso ou cruel seja a jornada, eu posso seu feliz, pois a trilhei com a força dos meus pés e com o meu entendimento e esforço, tendo muito do que me orgulhar, pois o meu exemplo é maior legado que deixo para os meus, logo há muito que agradecer e pouco por penar, pois o Senhor é meu Pastor, mesmo que tudo venha a me faltar.



      E continuaram a caminhar em rumos diferentes, porém César, mesmo atrasado em seus compromissos, parou um pouco pra pensar. Mas a mochila pesava muito nas costas e ele não tinha nem onde sentar, tampouco, tempo pra descansar, resolveu continuar, depois, se tivesse tempo, faria uma reflexão sobre a conversa com o amigo. Esse tempo nunca chegou, pois isso não era uma prioridade para César e como considerava Paulo um tolo, mesmo que ele tivesse dito a maior verdade do mundo, César não levaria a sério e não daria importância, pois essa verdade poderia obriga-lo a refazer parte de sua jornada e o tiraria do lugar que conseguiu chegar, afastando as vantagens que conseguira depois de muito tempo.

Anos se passam. A mochila de César pesava tanto que ele não pode mais caminhar sem deixa-la cair. Ele então a acorrentou ao seu corpo e se ela caísse ele cairia também. Seu amor e envolvimento pela mochila era cada vez maior e esquecera de Paulo e de muitas outras coisas que lhe era familiar. Paulo nunca mais viu César, embora até o tenha procurado, mas César era um homem importante e não tinha mais prazer da companhia de pessoas comuns. 

No final, Paulo encontrou César, mas nem o reconheceu, sua mochila era tão grande que ele só andava curvado, rastejando, lento e olhando para o chão. César nunca mais conseguiu ver Paulo, nem ouviu sua voz. Foi última vez que se cruzaram.

sábado, 21 de dezembro de 2013

Ferals Chapter 3 Leads to All Out War

David Lapham’s redefining of the werewolf mythology into a vital, horrifying, and vicious survival tale has been one of the must-read horror comics of the past few years.  Dale Chesnutt is a flawed sheriff and a feral man that has become more than anyone thought he could.  His position straddling the fence between two worlds has been a difficult balancing act that he can no longer manage.  The time has come to choose.
Everything in the first 18 issues of the series has been leading to this…the tipping point.  As the government crossed a pivotal line and now, the Feral community which has been hidden for so long is ready for all out war.  Fans of classic werewolf stories, violent survival horror, and action oriented drama need to check out this latest chapter of Ferals.  Ask your local comic shop to order a copy of this groundbreaking trade for you today!

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Uber Special

UBER SPECIAL #1
Retail Price: $5.99 US
Writer: Kieron Gillen
Cover & Art: Gabriel Andrade
MR, Color, 40 pages



PRODUCT DESCRIPTION: KIERON GILLEN digs deep into the origins of Uber with this all-new super-size Special! For the first time ever, he is unveiling the origin and first missions of Sieglinde and the German Battleships illustrated by GABRIEL ANDRADE! The German war machine has been developing the most powerful weapons ever fashioned. Their Battleship class Ubers are like living atom bombs annihilating every obstacle in their paths. But they were once humans, and it takes more than power to make a monster, so what could have forged such cold, murderous beasts? Available with Regular or Wraparound cover by Caanan White, Propaganda Poster cover by Michael Dipascale, a Blitzkrieg Incentive cover by Caanan White, and a special commemorative Three Objectives set of three books that is limited to just 500 sets!

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

First Look

First Look UBER by Gabriel Andrade



Gabriel Andrade Illustrating the exclusive Uber #1/2 Sieglinde

Uber #1/2 Reveals Sieglinde’s Origin in Bleeding Cool Magazine #8


Uber1_2Sieglinde (3)

The word is out – Ferals artist Gabriel Andrade is illustrating the exclusive Uber #1/2 Sieglinde origin issue with writer Kieron Gillen.  Over the past year, it has been widely hailed that Gillen and Caanan White have reinvented the super soldier genre in the pages of Uber.  With its unyielding look at the horrors of escalating world war, the series has become a must read each month.  Fans have enjoyed a lot of behind the scenes material from theUber #0 Enhanced Edition to the Uber Enhanced Hardcover collection which both featured author notes, sketches, and essays giving the reader insights into what shaped the series.  But no one has gone to the very beginning to show us what created the immensely powerful Battleship class Ubers.  Until now.
FERALS13wraparoundGillen  told us what he felt made the specialSieglinde #1/2 issue essential to the Uber universe.  ”We’ve kept the readers at a distance from our Battleships so far. There’s been hints and nods, but this is the first time we really get a chance to see beneath the indestructible veneer. With the pace of the war, I realised I wasn’t going to have space to really dig into this story until the second year of the book. When the idea of doing a short story this year came up, I knew it’d be the perfect place to do it. As we approach the climax of year one, Sieglinde is the most important of the battleships, so this is a timely focus on her human side. As with everything Uber, it’s all part of the whole vision of the series. The other bonus is getting a chance to work with Gabriel Andrade. I’ve been loving what he’s doing on Ferals, it’s exciting to see his be the first artist apart from Caanan to imagine the Uber universe.”
BCM8Uber #1/2 is only available in Bleeding Cool Magazine #8as both a digital download included with the $1.99 price of the magazine and a redeemable print copy which can be purchased through mail order.  Make sure you reserved a copy of Bleeding Cool Magazine #8 with your local comics retailer as their orders for it are due tomorrow.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Vlog do Gabriel #5 - Inking Ferals

Mais um vídeo do Vlog. Desta vez eu estarei terminando a arte final de uma das páginas de Ferals. 

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Vlog do Gabriel #4 - Nada com quadrinhos desta vez...

 Depois de Anos sem tocar comprei uma pedaleira nova, então gravei um vídeo, Muita vergonha alheia e solos bizarros kkkkk.


Crossed Special 2013

Written by Simon Spurrier
Art by Gabriel Andrade
Cover by Jacen Burrows
Simon Spurrier and Gabriel Andrade celebrate five years of CROSSED with the first ever giant-sized Special! How do you commemorate a half-decade of GARTH ENNIS’ violent masterpiece? By creating a story that goes beyond the surface misery of the gleeful Crossed maniacs and reaching into the fragile human psyche with something truly terrifying. Todd drives a road train through the desolate Australian outback. Before C-day he was a loser, an outcast, a fat nobody with a nobody-job. Now he’s an Emperor of the wasteland. His rig and its trailers are the safest place around: stocked to the brim with canned food and gasoline. But his desire to have a harem who worship him opens himself up to the true horrors of the outback. Spurrier brings his trademark flare for developing intricately flawed characters to a story that will haunt your dreams for years to come. In a world of Crossed…there is no hope and there is no help. There is only the Crossed.



domingo, 14 de julho de 2013

Ferals #18

 The final issue of the first Ferals series will leave you speechless! ?It Begins? is the title of this issue and that is an indicator of the bloody consequences of the military invasion of the Feral town. Now, Dale Chesnutt must face an entire facility of newly turned Ferals if he wants to have any hope of stopping the escalation of violence. The stakes could not be higher and drastic measures have to be taken! Watch for the next Ferals series in Summer 2014! Available with a Regular, Wraparound, Gore, and special Slashed Incentive cover by series artist Gabriel Andrade.






sábado, 6 de julho de 2013